01 dezembro, 2010

Uivos ventantes.





Certa vez,
olhos curiosos que são os que carrego,
pousados em frases soltas ao vento,
que até então,atenção nenhuma havia dedicado,
me deparo com esses pedaços de dias passados que inconcientemente são armazenados na memoria,para apenas muito futuramente,serem lembrados;
Encaixando-se perfeitamente em dias nublados de casaço e catatonia.
Palavras em demasia,cansam a alma.Sobrecarregam a compreensão
O silencio,mostra as deixas com muito mais desenvoltura neste dias em que asfalto cheira a chuva fresca e que arvore cheira a vontade de lagrimas.
Por isso o ser se enche de NADA,se direciona ao flutuamento de sentido e esquece de um dia lembrar.
Ou porque não sabe a diferença entre o que sente ou não;ou
porque se deixou abandonar.

Eu vivo,mas sera que me permito viver ?
Sera que te deixo livre pra SER enquanto te cobro que me ensine a crescer?!

..... O silencio.

___________________________________________________________

"só que o silêncio
tem todo tempo do mundo


a fala tem o momento exato:
eu tenho que meu silêncio
é um erro da fala
em dias tão desabitados
de sentido
."

FAPARECIDA

5 comentários:

Juliane S. Rocha disse...

Às vezes o silêncio vale mais que um milhão de palavras, pois nem sempre somos crescidos o suficiente para saber a hora de falar.
Beijos...

Satiko disse...

"Eu vivo,mas sera que me permito viver ?'
Percebo-me na mesma situação...estar vivo é bem diferente de viver!Essa vontade de desmoronar,deixar ser levado levando a vida,nãoo...não pode ser assim,é hora de tomar atitudes!

Gerlaine disse...

Silenciar as vezes é de uma precisidade sem fim.
No silêncio é que vivem os sonhos, mudos dentro da alma.


http://umaspalavras.wordpress.com/

Rebeca Postigo disse...

Sem palavras...

Bjs

Cami @HeyDearPrudence disse...

Nossa eu havia m esquecido como suas palavras são lindas, e como seus textos me remetem há tantas sensações. Feliz Ntal querida.
Sinti saudades.