03 dezembro, 2008

Males que precedem o bem (parte IV)

Rachel começou a trabalhar como organizadora em uma CASA/BALADA/SHOW perto da faculdade onde ela e Bernardo tinham se formado.
Seth era um ótimo chefe/dono,sempre simpático,e os dois pegaram uma amizade muito fácil.
No dia que Rachel passou mal,ele a socorreu de prontidão,e passou o dia todo com Eros.
-Ele é um garoto incrível.-disse certa vez.
Mesmo depois da descoberta da gravidez de Rachel,ele ainda quis que ela continuasse a trabalhar lá.
-Gosto de você Rachel,da forma com que trabalha,não tenho motivos para te mandar embora só porque esta grávida.

Com o passar do tempo,eles passaram a conversar coisas mais intimas,como a falta que ela sentia de Bernardo,e sobre a paixão secreta que ele mantinha por uma certa moça,que ele teimava em não revelar.
-Um dia você descobre- sempre dizia.







Ele começou a jantar na casa dela,e até a participar da “tradição da casa”.
-Toda noite ,a mãe pões o vinil dos “clássicos rocks dançantes” ,e dançamos descalços no tapete.-dizia Eros todo empolgado.

*
Os meses foram passando,a barriga de Rachel foi crescendo.
Seth já era indispensável na família.
Ela não sabia ao certo o por quê,mas quando estava com ele,se sentia tão feliz. Uma felicidade que só sentira quando estava ao lado de Bernardo.
Tinha medo disso. Muito medo.

Uma noite,Eros tinha ido durmir na casa de um colega da escola,Rachel e Seth jantavam e conversavam como de costume.
A noite acabaria como outra qualquer,se Seth não a pegasse pelos braços,colocasse ,delicadamente uma mecha do cabelo dela para trás da orelha,deslizasse as mãos macias pelo contorno do rosto dela,se aproximasse dela,deixasse os lábios dele quase juntos dos delas e dissesse:
-Tentei,juro. Mas não posso simplesmente evitar,fingir que não tenho esse sentimento.Estou perdidamente apaixonado por você,e sei que ,se você sente o mesmo por mim,luta contra a eterna duvida de estar traindo Bernardo.
Não quero competir com ele. Ele foi o grande amor da sua vida.
Só acho que você não pode se privar de ser feliz. Ele não iria querer isso.

Ela tremia.
De fato,ela também sentia o mesmo por ele,e o se já não bastasse todo o charme dele,ele ainda conseguia decifrar exatamente todos os dilemas e segredos mais íntimos dela.
Ela fechou os olhos.
O beijo.
Teria sido mais longo,se uma dor em sua barriga não a fizesse se afastar.
-A bolsa...acho que estourou Seth.



*





A situação não podia estar em melhor condição.
Fernando(o bebê) trouxera um toque de felicidade á mais para a nova “família” que se formava. Eros continuava a encantar a todos com sua inteligência e graça.
Seth e Rachel namoravam firme.
Ela se sentia segura com ele.Agradecia todos os dias pelo presente que havia recebido.
Sentia,é claro,saudade de Bernardo,mas ao mesmo tempo,algo a dizia que tinha dedo dele nessa felicidade.
Alicia,após o nascimento de Fernando,veio procurá-la. Pediu desculpas pelo ocorrido,mas era evidente de que as desculpas eram apenas dela e não da família toda.Mas enfim,eram amigas e Rachel esqueceu o episodio.

Seth e Eros iam sair,aproveitar o lindo dia que estava fazendo,e Rachel,acompanhada por Alicia,ia levar Fernando a uma consulta de rotina.

Tudo certo na consulta,já estava no carro se preparando para voltar para casa quando o celular tocou.Era Seth,parecia aflito,e não conseguia dizer nada que não fossem desculpas.
- Estávamos no carro,tudo tinha ido bem,estávamos cantando eu acho. Um caminhão Rachel,..passou no farol vermelho e arrastou o nosso carro.
Ela não conseguia falar. Não podia acreditar.
Injustiça. Novamente a vida colocava em risco tudo aquilo que ela mais amava.
Não podia ser,de novo não.
Correu para o hospital para terminar de ouvir as notícias.
*

Alicia estava com Fernando no colo,Seth com o braço enfaixado,ao lado.
Rachel andava de um lado para o outro.
O mesmo médico de Bernardo apareceu no corredor.Levou um susto ao reconhecê-la.
Em seu intimo,Rachel clamava por boas notícias,não agüentaria esse baque.Não saberia rumar sua vida novamente,não sei Eros,aquele doce e esperto garotinho que tanto a impulsionava a melhorar.
-Já podem ia ao quarto vê-lo,está fora de risco,só tem que manter repouso.

A tão,enfim,confirmação de que ter esperança lhe seria útil.
Pulou,pularam.
O médico se retirou sorrindo.
Ao entrar no quarto,todos os olhos ali se entregaram as lágrimas.
-Meu amor,não sei o que seria de mim sem você filho,juro.
-Eu te amo mãe,te amo.
*

[Continua]

Um comentário:

' Sofih! disse...

Nossa, eu bem pensando que tudo daria certo, aí aparece esse acidente, aí eu bem pensando que ia dar tudo errado e aparece o médico com a boa notícia... É uma história recheada de surpresas! Um novo amor fazerá bem à ela!

Bjssss